3/30/2010

Ainda que eu falasse...


Um dos temas mais difíceis para mim é o amor, no caso, em um relacionamento. O conceito mais coerente que eu já vi foi Monte Castelo de Legião Urbana que além da letra de Renato Russo também tem trechos de Camões e da Bíblia. Mas ainda é pouco para mim, falta-me definições.

Questionamento frequente em minha mente é sobre se o amor é uma condição ou um resultado de um conjunto de fatores. Explico. No primeiro, me refiro sobre o "amor a primeira vista", sobre você estar lá vivendo sua vida e de repente olha para ela e seu coração dispara sem motivo. Confesso que já passei por isso e posso afirmar que isso acontece.

Quanto ser um conjunto de fatores quero dizer que não basta a emoção do momento, o disparar do coração, mas também todo o contexto em sua volta. Isso que eu vou falar é complicado, inclusive um bom tema para um post futuro, mas acho que ao amar uma pessoa você não necessariamente irá gostar dessa pessoa. Quantas pessoas você já viu por aí que dizem que amam a outra pessoa, porém não querem nunca mais saber delas? Pois bem, será que o amor não é uma consequência de gostar do outro, afinidades em comum (confesso que não sei se isso que eu falei agora é redundância), química, circunstâncias materiais (distância um do outro, disponibilidade...), etc.

Creio que ambos os casos possam ocorrer e sejam amor, mas acredito que para o amor fluir é necessário que ambos os casos ocorram. O primeiro é ideal para começar tudo e o segundo para manter. Deve haver outras possibilidades que ainda desconheço, mas irei me ater a essas duas por algum tempo até chegar a uma conclusão. Ou não.

5 Comenta aqui, campeão!:

Luana Silva disse... [Responder comentário]

Por quê descrever o amor? Todo mund tenta, mas sempre faltam palavras. O motivo, todo mundo já sabe. Acho que não é preciso explicar, quem amar, vai saber na hora que ta amando. É como a dor do outro: a gente nunca sentiu a dor dele, mas sabemos exatamente que dor é essa quando temos uma igual.

Primo disse... [Responder comentário]

Otario, isso é que tu é!

Renand Zovka disse... [Responder comentário]

Concordo com você sobre a subjetividade do amor. A definição de uma palavra tão pequena estar nos nossos corações e não nas nossas mentes, por conta disso é que esse sentimento e tão puro e totalmente incontrolável. Cada um tem sua forma de amar e seus conceitos sobre amor.
Para mim, amor é a prova da incoerência racional que nos torna românticos a procura de nada racional.

Jean disse... [Responder comentário]

Quando descobrir a resposta divulga e cobra da galera em espécie pra ouvir =D Eu pago bem.
Se bem que no final das contas acho que o conjunto fala mais alto. Ja me aconteceu das duas maneiras, mas o decorrer de um tempinho sempre determina qualé o rumo da carroagem. No mais, tem mulher que eu acho que mexe com bruxaria.

Rafael Aragao disse... [Responder comentário]

KEKE isso hehehehe!!!