3/02/2011

Rap Groovado


Carnaval está ai e como é uma época diferente do ano, nada mais justo que quebrar a rotina do blog também por conta disso. O tema é repetido, já falei sobre isso antes no post "Bota a mão na cabeça que vai começar...", mas vale a pena falar novamente sobre isso, até porque o texto não é meu.

Outras palavras, outra banda, porém a linha é a mesma: abram suas mentes, deixem de lado as frescuras, viadagens e preconceitos. Vejam além do óbvio! Divirtam-se!

******************************

Edcity revoluciona o pagode

No decorrer de 2009 a banda baiana de pagode Fantasmão subiu às alturas para depois descer nas profundezas do nada. Destaque no carnaval com o hit Kuduro, foi elogiada por Caetano Veloso e até o produtor musical Carlos Eduardo Miranda, um dos membros do juri do ídolos do SBT, já confessou ser fã da banda. Fez fama pela qualidade das letras de suas músicas, sem nunca apelar para sexismos ou onomatopéias fuleiras. No entanto encerrou o ano com uma formação completamente diferente, cantando "sou o lobo mau e vou comer você" e sem ser escalada para o carnaval deste ano.

As circunstâncias que levaram ao ocaso da banda até hoje não foram muito esclarecidas. Os rumores de que havia algo de podre dentro do Fantasmão começaram a circular no final do primeiro semestre. Os empresários se apressaram em desmentir tudo em nota oficial. O vocalista Eddye limitava-se a ficar na dele, sem confirmar nem negar. Até que em agosto Eddye tornou pública sua decisão de seguir carreira solo e levar com ele as músicas do novo disco Rap Groovado, que era anunciado como um passo além do Groove Arrastado criado pelo Fantasmão.

Numa das atitudes mais nobres e dignas da história da música brasileira, praticamente todos os músicos da antiga banda resolveram acompanhar o cantor em sua nova jornada. O fato causou uma imensa tristeza na legião de fãs, afinal Fantasmão era muito mais do que uma banda, era um conceito, era uma atitude, era a voz do gueto. Eddye, por razões contratuais, seguindo carreira solo, seria obrigado a deixar tudo pra trás e praticamente recomeçar do zero.

Assim nasceu Edcity. Um fato que deve ser ressaltado é que a nobreza e a dignidade nesse caso deve ser estendida também aos fãs, que mantém umas das comunidades mais ativas no orkut. A comunidade foi de presto renomeada e fora meia dúzia de gatos pingados que reclamaram, o apoio ao novo projeto Edcity foi assimilado em tempo recorde e o mote "a cidade é nossa" passou a ser o novo grito de guerra.

Entre agosto e outubro, nos intervalos entre os últimos shows com o Fantasmão, Edcity e sua turma se enfurnavam no estúdio e trabalhavam intensamente em cima das novas músicas. O disco Rap Groovado passou a ser um dos lançamentos mais esperados do ano. Todo mundo estava curioso para saber qual seria o novo som criado pela caixola de Edcity. O que se sabia era que as guitarras ficariam bem mais pesadas e que os teclados seriam deixados de lado.

Musicos da banda de Ivete Sangalo participaram de algumas gravações e saíram dizendo que não sabiam se conseguiriam dormir, impressionados pelo fato de que por debaixo de todas aquelas guitarreiras, existiam musicas que podiam muito bem ser tocadas nos carnavais.

E o que veio à público, via Orkut, surpreendeu até os mais crédulos. O que Rap Groovado, o disco, fez apartir da matriz do samba de roda, é algo que nem Zé Pilintra seria capaz de conceber. Enquanto Chico Science inseriu o maracatu e o hip hop em seu rock, Edcarlos Conceição teve o dom de fazer o caminho inverso, inseriu o rock e o hip no seu samba de roda. E funcionou magistralmente.

A faixa de abertura é assustadora. A faixa de abertura é capaz de espantar qualquer fantasmão. O BiS MTV adverte: coloquem escoras nas paredes antes de darem o play no Rap Groovado. O peso das guitarras e a percussão sincopada da introdução instrumental são de um peso sepulturístico.

A segunda faixa foi a escolhida para ser a primeira música de trabalho, em mais uma demonstração de coragem e hombridade de Edcity. Ao invés de escolher uma música mais claramente comercial, Edcity fez questão de provocar seus traidores. A letra não podia ser mais explícita: "Cara de santinho / dizia ser irmão / mas já diz o ditado / quem vê cara não vê coração / Traíra traíra / você tá na mira". No refrão, a força e a fúria da letra é reforçada pela guitarra pesada de Lost: "Andava entre os leprosos / pregando a união / foi beijado no rosto / tremenda traição".

Em "Cabelo do Rasta", Edcity paga tributo aos rastafaris e ao reggae, um dos ingredientes usandos na concepção de seu som. "Break" é uma das promessas de hit e a principio foi a escolhida para ser o primeiro clipe. Nela é feito um casamento entre o samba de roda o break de Michael Jackcson. Para os que dizem que seu som é consumido principalmente por jovens do sexo masculino, "Pivetona" dá o recado, a meninas também curtem, só que se trata de um tipo diferente de menina, aquelas que querem distância das futilidades de patricinhas.

Uma das críticas mais contundentes que Eddy recebe desde os tempos de Fantasmão é de que suas letras fazem apologia à violência. Na faixa "Alemão" o compositor deixa bem claro que faz pouco caso dessas críticas e segue firme em sua proposta, que é falar da realidade das periferias e da vida de seus moradores. Se a violência está presente nos gueto, falar sobre ela é algo no mínimo honesto para quem se propõe a ser a voz da periferia. Na abertura da música o vocalista decreta: "Alemão! Bota no micro-ondas, fogo no sacana!". É a realidade e tapá-la com peneira é coisa do asfalto, não morro. Ponto pro Edcity.

"Nocaute" é outro hit potencial, onde a percusão e as guitarras pesadas mais uma vez formam uma perfeita comunhão. Capoeira hard core. "Fumaça" é sobre aquela planta que as leis não permitem que exista, tema recorrente desde os tempos do Fantasmão. Edcity vive dizendo que não usa letras de duplo sentido, mas nessa área ele não engana ninguém.

Os tempos de kuduro são deixados para trás na letra de "O plantão é duro" e toda sua raiva contra seus inumeráveis detratores é expurgada em "Fala mal, mas paga pau" onde toda poesia é abandonada de forma que a mensagem seja transmita quase que da forma de um murro nas fuças.

O samba de raíz é celebrado em "É pra sambar" e na balada "Discriminação" temos outro tema recorrente, a crítica social. "Rap Groovado" é a música manifesto, com refrão chamando as massas para berrarem "hip hop / hip hop". Todos os elementos da nova sonoridade estão ali, o break, o rock, o hip hop, a linha de baixo com groove regueiro e demais nuances.

O disco é encerrado com a dramática "Do mal me libertei", uma crônica de um detento que encontra paralelo na história de vida do próprio que cantor, que já foi preso por porte de drogas por conta de um delegado que queria se promover.

Sem dúvidas trata-se de um de um disco revolucionário não só para o pagode baiano, como para a música brasileira em geral e serve como um farol de inspiração para as bandas de rock nacional, que entraram num círculo vicioso de indie do indie do qual ninguém parece encontrar a saída.

Por Timpin

2 Comenta aqui, campeão!:

Adolfo disse... [Responder comentário]

Então cara, numa boa, achei que o texto era zoação.

Nunca ouvi falar em Fantasmão e achei que era tudo brincadeira.

Depois fui ao youtube e confirmei. Realmente, comparar este cara com Chico Science, ainda que despretensiosamente, é demais.

Eu não vi nada demais na letra e achei a banda nada mais do que um axé dos que aparecem todo dia.

E como que o autor do texto tem as caras de falar que uma música chamada "Kuduro" não tem conotação sexual?

Gosto é gosto, vai.

Nathalia Cassundé disse... [Responder comentário]

ai tu jura q eu vou ler um texto enorme sobre fantasmão? a banda q me aperreia tds os dias pela manha (meu irmão coloca pra tocar)?
pois juuuure!
hahahaha