9/30/2011

Dani California


E se a vida começasse agora? No último sábado tive a experiência mais surreal da minha vida, o Rock in Rio, desde então tento explicar aos que me perguntam como foi lá e simplesmente não consigo, só respondo “surreal”. Mas vou tentar.

Ao chegar na região da Cidade do Rock você já sente uma atmosfera diferente, um clima mais leve no ar, todas aquelas pessoas de todos os lugares na fila com um único destino. Ao entrar você é tomado pela euforia, o “consegui chegar aqui”, você percebe que não tem mais volta. Uma alegria uníssona. Eis os shows.

O bairrismo. Essa é a palavra que descreve o show de Nação Zumbi e Tulipa Ruiz no Palco Sunset. Eu e meus amigos conseguimos ficar bem na frente do palco, chegando lá é que nos demos conta que a nossa volta só havia gente de Pernambuco. Bandeiras do estado, dos times daqui, o sotaque era o mesmo de shows em Recife. Entre um “Pelo Sport nada?” e um “Ah, é Pernambuco” era possível ver a cara de espanto de quem era de fora, sem entender o que estava acontecendo ali. Gritamos a plenos pulmões nosso orgulho de ser pernambucano.

A humildade. Assim podemos descrever o show de Milton Nascimento e Esperanza Spalding, isso por que após reencontrar um grande amigo que hoje mora em Minas que eu não o via há muitos anos, nós fomos curtir o show e para nossa surpresa quem estava ao nosso lado era Bola 8 e Toca Ogan, da Nação Zumbi que minutos antes estavam no palco para o mundo todo. Ficaram o show todo conosco falando da apresentação deles, de futebol, de tudo. Uma humildade e simpatia exemplar. Isso, assisti ao show ao lado das estrelas do show.

O talento. Esse é Mike Patton que se apresentou com a Orquestra de Heliopólis cantando músicas italianas. O cara é um mito, um carisma único, um verdadeiro astro no palco. Deu um show, algo único, para simplesmente olhar, aplaudir e reverenciar. Sim, existem pessoas acima das pessoas normais no mundo, Patton é um deles.

A dor. Capital Inicial fez um show muito emocionante, em dado momento homenageando o filho de Cissa Guimarães que naquele dia estaria completando 20 anos. Fui tocado por essa comoção e pude sentir a dor de todas as perdas que tive esse ano, como em alguns meses atrás eu vivia os piores momentos da minha vida e ali, naquela hora, e vivia o meu melhor. Chorei muito.

O amor. Nunca em toda minha vida me senti tão apaixonado como durante o show de Snow Patrol. Gary Lightbody com suas músicas consegue levar o amor ao coração de todos a sua volta, foi um sentimento que mulher ou time nenhum me fez senti antes. Claro, no final, ao som de Open Your’s Eyes tive a oportunidade de dar o beijo mais apaixonado que já dei em minha vida em alguém que ficou ao meu lado nas 4h seguintes e eu ao menos sabia seu nome. Foi lindo, foi perfeito. O título do post é justamente em homenagem a ela que se chamava Dani (só soube depois). Mas como em um filme, esquecemos (ou não tivemos tempo) de trocar contatos e provavelmente nunca mais nos veremos novamente, talvez assim seja melhor, vira lenda. Só assim esse momento perfeito nunca sairá do meu coração.

A viagem. Nunca fiquei tão louco como no show de Red Hot Chilli Peppers. O som do baixo de Flea tem um poder hipnótico sobre aqueles que o ouvem, sem perceber, você está pulando tanto quanto ele sem saber o que está fazendo. A vontade é cantar junto, erguer os braços, tentar voar. Euforia, psicodelia, alegria, uma viagem sem fim.

Amigos verdadeiros, pessoas de bem, uma vibe positiva, o melhor da música, sai de lá com uma certeza, eu mudei, sou uma outra pessoa com uma nova mente. Respondendo a pergunta do começo, se a vida começasse agora, não sei o mundo, mas eu seria uma pessoa melhor.

(Apesar do tamanho do post, não consegui transcrever 10% do que foi isso pra mim. Se eu puder dar um só conselho a todos vocês ele seria: façam de tudo para ir no próximo Rock in Rio, tudo.)

9 Comenta aqui, campeão!:

anellyse disse... [Responder comentário]

Tu já respondeu tudo andré e deixou no ar um convite de irmos no próximo, pra quem ja tava com vontade, ela so aumentou agora :D

I'm Ana Luisa, disse... [Responder comentário]

Velho, eu mal comento no teu blgo, mas dessa vez eu tinah que comentar.
Fico muito feliz quando vejo pessoas que eu gosto feliz por ir a algum lugar que tanto queriam.
Você comentou no post que mudou muito e eu te vejo mudado mesmo, sei lá tem alguma coisa em você que tá diferente.
Na parte que você fala do amor eu só fiquei imaginando tu beijando a menina na musica Run de Snow Patrol, deve ter sido mágico mesmo aquele momento. Principalmente numa banda que em dez palavras 9 é Snow Patrol.
Enfim, Dré, o convite já foi feito, eu vou conhecer essa magia Rock in Rio.

@flaviasport disse... [Responder comentário]

\0/\0/\0/\0/\0/ puts é por isso que eu gosto tanto de ler o que vc escreve !!!! Rsrsrsrs !! Vc consegue escrever de um jeito tão envolvente que eu imaginei ate o beijo e a fisionomia da menina "dani" kkkkkkkkkk Eu já fui pra um Rock in Rio o de 93 ( o que foi no Maracanã ) sou péssima com datas e realmente foi surreal !!! Muito feliz por vc meu amigo virtual e um dia espero ser real e quem sabe a nossa amizade não vire um belo post como esse!!! Kkkkkkkk (já to me escalando !!! O.0)

Maria Clara Gallindo disse... [Responder comentário]

Se apaixonar em pleno Rock in Rio deve ser a coisa mais linda do mundo! Vou contar que eu também imaginei a tal Dani, só pela forma que tu escreveu sobre ela. 2013 estaremos lá.

Karol Araújo disse... [Responder comentário]

Entre tudo que eu li, vi e ouvi sobre Rock in Rio, esse post foi a única coisa que me fez sentir vontade de estar lá. Muito lindo, André!

=**

Eu disse... [Responder comentário]

Bonito post... Foi tudo inexplicavelmente do kray!!!

Dani Poli disse... [Responder comentário]

EU SOU A DANI!!!!

Lua disse... [Responder comentário]

Rock in Rio é inexplicável, digo o mesmo! Só de ler teu post relembro os dias que fui e me arrepio toda. É felicidade que não cabe nas palavras.
=D

Mayra disse... [Responder comentário]

Uma marca de esmalte inventou uma tal de inveja boa. Se ela existe mesmo, é isso que sinto!