10/01/2010

Pior que tá não fica


Engraçado que quanto mais eu estudo, quanto mais eu conheço da nossa Carta Magna, mais nojo e desinteresse eu sinto pela política do Brasil.

Eu bem que poderia acabar esse post nessa primeira frase que já estava de ótimo tamanho para vocês, leitores inteligentes, mas a função desse troço é escrever mesmo e fazer render. Pois bem, vamos lá.

Cada eleição que passa, seja para presidente, governador, prefeito ou síndico daqui do condomínio, menos esperanças eu tenho nesse país. Vocês sabem muito bem o que eu penso do Brasil e do brasileiro em geral, basta ver posts anteriores. A cada dois anos, nessa época do ano sou bombardeado por rostos sorridentes e a mesma conversa de sempre: de um lado a situação que vive no Wonderland onde tudo está lindo e maravilhoso graças ao magnífico trabalho que eles desenvolveram nos últimos 4 anos, apesar do governo anterior que só fodeu tudo. Mesmo assim eles superaram o caos e fizeram do Brasil o melhor país do mundo. Contudo, repetem as mesmas propostas que os elegeram. Só eu me perdi no raciocínio aqui? Se para eles se elegerem eles detonaram o trabalho do governo anterior e prometeram melhorar tudo, 4 anos depois eles querem continuar prometendo as mesmas coisas sob o pretexto que há muito o que ser feito.Hã?

Do outro lado está a oposição que vive no pior país do mundo, onde nada funciona. Vem as mesmas propostas da situação, porém apresentam tais propostas após afirmarem que o governo atual não fez nada em relação as essas coisas. Ah, eles elogiam algumas coisas sim: aquelas que eles dizem ter criado na gestão anterior da qual eles fizeram parte.

Engraçado também é que todo candidato que busca sua reeleição foi responsável por alguma obra grandiosa realizada. Tal obra só veio para tal lugar porque o senador tal com muito suor conseguiu isso. Mas o deputado tal diz que quem trouxe foi ele. O outro deputado diz a mesma coisa. Não podemos esquecer o presidente que diz ser o principal responsável! Por isso que o Brasil é um país lindo, todo mundo trabalhou junto para conseguir isso! Que união maravilhosa!

Quantos as propostas todo mundo sabe quais são, vou nem dizer, mas uma começa com E, a outra com S e a outra com S também. Exceção é o Edmar de Oliveira que quer matar todo mundo, o que me agrada (não, não vou votar nele). Porém a primeira com E é a mais surreal de todas. Agora voltamos ao ponto inicial do post, porque quando o infeliz tem o mínimo de educação e senso crítico chega a essas conclusões (e várias outras) que eu cheguei e não vota em mais nenhum desses desgraçados aos quais eu me referi.

Claro, tem político que preste. Em algum lugar, feito torcedor da Barbie macho, sabemos que existe, mas achar um é complicado demais. Mas não percam a fé, façam um esforço para encontrar um candidato que pelo menos pareça ser decente. Não vote visando somente o emprego que sua mãe talvez ganhará desse candidato nem um bolsa-qualquer-coisa que ele prometeu. Vamos pensar um pouquinho a frente e perceber que o benefício mínimo de hoje será o prejuízo máximo amanhã!

COLETIVIDADE!

Ah, mais uma coisa! Vejam como são as coisas, lembrei de um post que fiz no dia 10/05/2008 e por incrível que pareça (ohhh!!!) minha linha de pensamento ainda é parecida. A diferença que hoje eu tô com menos saco para tudo isso, comparem.

3 Comenta aqui, campeão!:

carolfbm disse... [Responder comentário]

Engraçado que quanto mais eu estudo, quanto mais eu conheço da nossa Carta Magna, mais nojo e desinteresse eu sinto pela política do Brasil. [2]

Sem mais delongas.

Jean disse... [Responder comentário]

Essa eleição foi um lixo. Saque a mulher q foi pro segundo turno no DF http://www.youtube.com/watch?v=jKlSGzQe-tI&feature=player_embedded
Depois desse debate, gostaria de saber o que fez votarem nela.

Raquel Mota disse... [Responder comentário]

Eu já estou é cansada de tanta propaganda política, nessa época todo mundo é santo, falam a mesma coisa... prometo isto e aquilo, minhas metas são essas e tal, é muita ladainha. Odeio política e Tirica ganha, o que ta me tirando mais do sério são os eleitores.