10/08/2010

Uno, Dos, Tres... Diez!


Por acaso descobri uma função do blogger onde eu posso ver as estatísticas do meu blog. Em breve farei um post só comentando esses números, fatos que eu achei curiosos. Mas um desses fatos foi que o meu post mais acessado foi justamente o Ato 8, para quem não sabe logo que fiz o meu orkut, cansado daqueles perfis cheios de frases de prontas-de-efeito resolvi fazer um resumo da minha vida de um foco diferente, dividi minha vida em 8 atos.

Lendo o Manual do Cafajeste, vi um post dele onde ele cita 9 fatos interessantes sobre ele, gostei disso, até porque a idéia para mim não é nova. Como eu não tenho vergonha nenhuma de buscar inspiração em qualquer que seja a fonte, vou fazer algo semelhante aqui no meu blog. Vou contar 10 fatos sobre mim que nunca tiveram muita relevância.

*Sempre gostei de praticar esportes, porém só comecei a malhar no meu primeiro ano de faculdade pra tentar diminuir minha magreza digna de retirante da seca. Continuo magro, mas desde então ganhei quase 10kg de massa muscular, apesar de não conseguir me manter numa academia durante doze meses completos. Ah, na primeira vez que tomei suplemento alimentar visando ficar mais fortinho, consegui a incrível façanha de perder 1kg.

*Ainda falando sobre esportes, já ganhei medalhas em jogos internos pelo colégio em futsal, basquete, atletismo, natação, acho que vôlei (caso eu tenha ganho mesmo, não tenho nenhum orgulho disso, acho vôlei um esporte bem de mariquinha) e dominó (é esporte de bebo). Espero semana que vem ganhar algumas no judô.

*Sobre colégio (ficou legal essa interligação de pontos), entre a 8ª série e o cursinho pré-vestibular estudei em 5 lugares diferentes, ou seja, um colégio por ano (o cursinho eu fiz em matérias isoladas, logo não é colégio, mas eu contei mesmo assim). Sendo que em 4 cidades diferentes (Pesqueira, Caruaru, Jaboatão e Recife). O ruim é que não deu para criar raízes em lugar algum a partir do 1° ano, mas ajudou bastante a me desenrolar, perdi toda a minha timidez e aprendi a resolver meus problemas sozinho.

*Minha primeira ida a jogo de futebol foi quando criança para assistir Santa Cruz x Náutico, não lembro de nada desse dia, só sei que o Santa ganhou. Me levaram para esse jogo na esperança de que eu virasse tricolor, mas rubro-negro já nasce com o vermelho e preto no coração. Minha primeira ida a Ilha foi em 2001, meu tio Ivandro que me levou. Nesse ano o Sport terminou na lanterna do campeonato. Não, não sou pé-frio, o time que era horrível, tanto que anos depois passei a ir a quase todos os jogos do Sport na Ilha e não vi nenhuma derrota em mais de 1 ano de jogos. O problema era meu tio, desde então eu não fui mais com ele para jogo do Sport.

*Eu sou totalmente xiita quanto ao bairrismo. Praticamente não gosto de nenhum outro lugar fora Pernambuco no Brasil. Odeio com todas as minhas forças o carioca. O curioso que a mesma raiva que eu tenho do carioca eu também tenho do caruaruense. Deu para perceber que eu não gosto nem um pouco de gente metida, né?

*Meu primeiro beijo foi dos 12 para os 13 anos. Depois dele fiquei um tempão sem beijar porque tinha achado aquilo horrível, mas só depois que eu percebi que tinha sido horrível porque a menina simplesmente não sabia beijar, ela tentou foi me engolir.

*Tenho uma família por parte de mãe muito grande, mas sempre tivemos bastante contato. Eu e meus primos antes de família somos amigos também, não é raro nos encontrar em alguma balada juntos como se fôssemos uma turma de colégio. O Maciel vem da minha mãe, não só eu, mas também todos os meus primos geralmente assinam seu nome acompanhado do Maciel.

*Minha infância foi muito boa. Quase toda tarde ia para a fazenda do meu avô com meus amigos onde passamos toda a tarde lá desbravando a mata e andando de cavalo, à noite iamos todos brincar na rua atrás da minha casa. Dias dignos de Goonies, muitas e muitas histórias, ninguém jamais poderá dizer que fui menino criado a leite com pêra e ovomaltino, era maloqueiragem mesmo. Subir muro da casa do outros, roubar framboesa nos fundos dos correios, perturbar os doidos de rua, quebrar coisas, pular no quintal alheio pra pegar a bola que caiu lá e sair correndo pra não levar tiro de espingarda de sal, etc.

*Em meus primeiros dias aqui em Recife, vindo de Pesqueira, após passar um ano estudando em Caruaru, fui pegar um ônibus para o shopping. Ainda acostumado com o sistema viário de Caruaru, achei que percurso do ônibus era curtinho e ficava rodando o tempo todo,como lá, mas aqui o ônibus faz uma verdadeira viagem e depois vai para o terminal. Duas vezes seguida tentei ir do meu prédio para um lugar que não daria 10 minutos andando e consegui passar uma tarde inteira dentro de um ônibus. E não cheguei onde queria.

*Sempre tive muita vontade de tocar algum instrumento musical, até comprei a guitarra do meu primo, fiz umas duas aulas, mas deu para perceber de cara que uma coisa que não tenho é talento musical e ritmo seja para cantar, tocar ou dançar. Se eu fosse viver de música seria no máximo como produtor.

3 Comenta aqui, campeão!:

carolfbm disse... [Responder comentário]

Sou muito fã dos atos que tu escreveu. E também adorei esse post, bem descontraído!

Quanto aos caruaruenses... Detesto esse negócio de quererem ser melhores que os outros. Porém, depois de quase três anos convivendo diariamente com muitos, aprendi que nem todos os caruaruenses são assim e confirmei que toda regra tem sua exceção.

Eric Guedes disse... [Responder comentário]

Muito bom post!! me fez lembrar do meu passado tb! Mas Vôlei não é esporte de mariquinha! abraço velho!!

Raquel Mota disse... [Responder comentário]

Ah gostei muito desses tópicos, apesar de discordar em certos pontos. Nem todo mundo de Caruaru é metido, claro que tem alguns, vôlei não é esporte para mariquinhas (deixe disso ¬¬)e concordo em partes sobre o dominó, que só me lembra praia e um mói de gente bebendo e jogando, entre outros. Ficou legal :D